Provando a Arretado! nossa Dubbel com rapadura

Cerveja artesanal dubbel feita com rapadura
Cerveja artesanal dubbel feita com rapadura

Nossa primeira cerveja artesanal “trapista” ficou pronta e estamos realmente satisfeitos com a receita. A Arretado! ficou excelente, em especial por ter sido a nossa primeira tentativa no estilo Dubbel elaborando a receita do zero.
Começamos a fermentação com a densidade que estimávamos, 1.066SG, e terminamos um pouco acima do que gostaríamos, 1.016SG, isso resultou em uma cerveja com graduação alcoólica de 6,6%. Durante a fermentação tivemos problemas em manter a temperatura no patamar desejado, na época faziam dias realmente frios, foi difícil manter a temperatura acima dos 20C, na maior parte do tempo a temperatura oscilou entre 17C e 19C e provavelmente por isso o aroma característico do estilo tenha sido menos marcante, mesmo assim a característica frutada está presente, assim como o caramelo e o discreto amargor do lúpulo.

Essa é uma cerveja encorpada, na cor cobre conforme esperávamos e com o colarinho cremoso e persistente. A adição de rapadura foi um ponto interessante, além de elevar o teor alcoólico da cerveja contribuiu com o frutado e deu um gostinho interessante que remete a rapadura no final. Como a cerveja tem um alto teor alcoólico ela proporciona uma agradável sensação enquanto a degustamos, é possível notar a presença do álcool, mas ela nem de longe é agressiva ou remete a algum produto químico como solvente por exemplo.

A carbonatação foi feita na garrafa, utilizamos 6g de açúcar por litro e nesse ponto ocorreram algumas inconsistências, pela primeira vez desde que iniciamos as atividades algumas garrafas “explodiram” (na verdade duas garrafas tiveram as bases trincadas), outras mostraram-se super carbonatadas enquanto a maior parte da leva me pareceu com o nível de carbonatação esperado. Para fazer o priming antes de engarrafar utilizamos um balde com uma torneira na base, fizemos o processo duas vezes para podermos engarrafar toda a cerveja, o meu palpite é que em um dos momentos não diluímos apropriadamente o açúcar e isso pode ter resultado nessa inconsistência em uma parte da leva.

Outra característica dessa leva é que as garrafas tinham uma camada relativamente generosa de levedura no fundo, isso não foi um grande problema, principalmente se a cerveja fosse servida com cuidado, mas esse ponto é simples de melhorar, talvez um tempo maior de maturação a frio resolva essa questão.

Em suma, uma ótima cerveja, certamente repetiremos a receita. Na próxima leva vamos tentar acertar os pontos que podem ser aprimorados, que são: temperatura de fermentação, maior cuidado com o carbonatação e redução da quantidade de levedura nas garrafas.
Uma pena as garrafas já terem desaparecido =/

Um abraço,
Cerveja Monstro

12 pensamentos em “Provando a Arretado! nossa Dubbel com rapadura”

  1. Parabens Derso

    Esta muito atraente até deu-me vontade de entrar na foto para experimenta-la, rsrsrsrs. Quantos dias vc deixou maturar antes do priming e depois do priming e a que temperatura ? Essa carbonatação que vc fez direto na garrafa, como vc fez, dissolveu o açucar na propria cerveja ou o que ? pode-me explicar bem certinho???? O processo vc diz que fez duas vezes para engarrafar é porque só cabiam 10litros no balde de cada vez ?
    Ela já tinha alguma espuma quando vc foi carbonatar ????

    Paula

    1. Obrigado Paula,

      Eu deixei a cerveja na temperatura de fermentação por 17 dias, depois baixei a temperatura gradativamente por 13 dias até chegar a 0C. Fiz a carbonatação em duas etapas porque minha leva não cabia inteira no balde, do contrário teria feito em uma só leva. Eu sempre faço priming assim: transfiro a cerveja do maturador para o balde graduado e devidamente sanitizado, vejo quantos litros de cerveja eu tenho e calculo quanto de açúcar vou utilizar baseado no estilo da cerveja. Depois vou pro fogão dissolver a quantidade necessária de açúcar em 3 partes de água, aguardo essa solução esfriar e adiciono ao balde com a cerveja. Com uma colher muito bem sanitizada mexo essa solução cuidadosamente para não oxigenar mas o bastante para a solução se misturar completamente a cerveja, depois disso é só engarrafar e tampar.
      Após engarrafada eu as mantive dentro do porão, durante aquela época a temperatura ambiente lá ficava entre 17C e 22C durante o dia. Com 10 dias de porão acerveja já estava carbonatada e eu finalmente pude provar minha primeira dubbel 🙂
      Durante a fermentação é produzido CO2, uma boa quantidade acaba saindo pelo airlock e outra parte é absorvida pela cerveja, essa pequena quantidade misturada ao liquido é a responsável por fazer essa espuma a qual você se refere. Na verdade quanto menos você mexer seu fermentador / balde com cerveja melhor, porque reduzirá a possibilidade da cerveja oxidar e fará menos espuma.

      abraço

  2. Derso
    Vamos ver se o tico e teco acompanharam e entenderam sua explicação.
    A)Se eu tiver que usar 60grs de acuçar devo dissolve-lo em 180ml de aguá?
    B)Não devo mexer muito a cerveja no balde, para não oxidar e perder a espuma que quero, não é ?
    Pergunta: Se eu mexer o balde não estaria oxigenando a mesma, e não teria uma melhor reação no priming, ou seja uma maior e melhor carbonatação ?

    Paula

    1. Paula,

      A) Eu sigo essa regra, mas não existe nenhum estudo cientifico (pelo menos não que eu conheça) que confirme que essa é a melhor forma de se fazer. Eu faço assim porque dessa forma sei que vai ter água o bastante na panela para evitar que o açúcar queime ou algo assim. Se quiser usar mais, ok, se quiser usar menos, ok também. O mais importante nesse ponto é estimar corretamente a relação de açúcar para cada litro de cerveja, usei 6g / litro e acho que foi suficiente para minha trapista.

      B)Nesse ponto você deve evitar fazer “splash” sabe? deixar a ponta da mangueira do sifão acima da superfície da cerveja no balde por exemplo, isso pode oxidar sua cerveja, a oxidação pode gerar sabores/aromas indesejados como papelão, sabão e outros. Você deve mexer sim, para ajudar sua solução de açúcar a se homogenizar com a cerveja, mas faça isso devagar e com cuidado, novamente para evitar “splash”.
      Conforme disse acima, a oxigenação da cerveja não é algo bom nessa etapa por isso evite a todo custo. Nesse ponto não há necessidade de oxigênio, a levedura não precisará se multiplicar, o foco agora é apenas consumir esse açúcar e transforma-lo em álcool e CO2, esse ultimo o responsável por aquele adorável som que ouvimos ao abrirmos uma garrafa ( :

    1. Na verdade o ideal é fazer isso no fogo para que você possa ferver e matar qualquer coisa que possa vir a contaminar a sua cerveja. Eu geralmente fervo por 5 mins e pronto, é só esfriar e adicionar a cerveja. ( :

  3. Derso,
    Boa noite,
    Sou aqui do ABC Paulista, e fiquei muito interessado por esta sua criação, parece ser ótima.
    Estou montando a receita aqui conforme vc já passou nos comments acima, para 20 L:

    3,87kg Pale Ale
    0,49kg Melanoidina
    0,49kg Aroma
    0,49kg Special B
    0,36kg Aveia
    0,51kg Rapadura
    4,9 gramas H. Herkules – 60 min
    12,25 gramas Goldings – 30 min
    Whirlfloc – 15 min

    14,25 litros de agua para mostura

    Rampas
    67 graus a quanto tempo? Seria somente 67 graus e no final 76 graus por 10 min? Ou teria alguma outra parada a 50-55 graus por exemplo?

    18 litros para lavagem

    Fermentação (12 dias a 22 graus)
    4 dias
    Adição da calda de rapadura
    8 dias

    Maturação
    7 dias de 8-10 graus
    5 dias de 0-2 graus

    Envase
    Priming direto na garrafa de high maltose pesado em balança de 4 gramas por 600 ml

    Carbonatação
    Garrafas ficaram por 10 dias a 20 graus

    Vc poderia checar se é isso mesmo e me ajudar nas rampas de temperatura?

    Obrigado

    1. Oi Eduardo,
      Ta cheio de cerveja boa no grande ABC, isso é muito bom.
      Me parece tudo em ordem com seu planeamento, é difícil falar sobre água porque ela pode variar de acordo com o seu equipamento, então esteja preparado para qualquer eventual correção nesse sentido.
      Quanto a rampa de mosturação, escolhi fazer só essa mesmo, ela dá conta do recado.
      Boa brassagem e boa cerveja!
      Abraço

      1. Obrigado.

        So tira outra duvida, jogando tudo acima no BeerSmith, me deu 19,5 IBU (dentro do estilo Belgian Dubbel), porem a cor ficou em 63,5 EBC (completamente fora do estilo que tem o limite de 33,5). É isso mesmo? Ou devo diminuir um pouco os maltes Aroma e Special B?

        O Abv tambem ficou ok, em 7,4%

        1. Honestamente falando eu não me incomodo muito com a cor no beersmith, esse é um parâmetro muito difícil de acompanhar porque há diferença na composição dos maltes listados e porque não há rapadura no software, e mesmo que tivesse, rapadura não tem padrão, então provavelmente a cor de sua cerveja não será a que você verá no beersmith

  4. No comentário acima, só esqueci de escrever a Fervura (60 min com os devidos lúpulos e o whirlfoc), mas vai ser feita. rsss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *